Começando.

Me recuso aqui a repetir velhas frases conhecidas do tipo “a mudança tem que vir de dentro”. São ditos populares clichês que todos nós conhecemos. No entanto, minhas palavras, mesmo diferentes, convergirão para a mesma ideia.

Não há ânimo e motivação se não há reconhecimento e vontade de mudar. Todo processo de mudança de comportamento, ainda que simples, exige de nós graus elevados de foco, dedicação, autoconhecimento, autocontrole e principalmente objetivo. Assim, sentar na cadeira e colocar no papel, no celular, no computador, onde preferir, os seus objetivos, dividindo-os em graus de relevância e necessidade é de extrema importância.

Decidi transformar minha rotina ao chegar ao fundo do poço. Sim, uma grande quantidade de dívidas, reprovação em matérias (vergonha!!), leituras descoordenadas, excesso de informação superficial, ausência de foco e planejamento do futuro em um lost total. Não preciso dizer que esse quadro afetou não só minha vida, mas minhas relações profissionais, amorosas, de amizade e familiares, minha autoestima, minha perseverança e, claro, minha amada calma e serenidade.

Iniciar a retomada do controle de nossas vidas exige, portanto, a realização de alguns passos bem simples:

1. Sentar e, sozinha, enumerar tudo aquilo que está te incomodando em sua vida, seja na maneira como você lida com o dinheiro, nas suas relações pessoais, ou até em si mesma, o importante aqui é listar tudo o que vier a mente;

2. Estabelecer hierarquia entre essas questões e filtrá-las, analisando quais demandam maior esforço de sua parte, quais são mais urgentes, quais podem ficar para depois, quais dependem somente de você, quais dependem de outras pessoas ou do acaso ( a ideia aqui é estabelecer metas reais, que podem ser alcançadas por nós mesmos) – por favor, colocar aqui somente o que incomoda VOCÊ, não o que outras pessoas têm reclamado (tratarei disso mais tarde);

3. Feita a lista, reconheça sua responsabilidade por cada ponto colocado, refletindo sobre qual seu papel na mudança desejada;

4. Por último, encontrar soluções para cada uma das questões colocadas por si mesmo e anotá-las, sim.

Após feito tudo, inicie a execução, sem desculpas. Sugiro até sumir das redes sociais por um tempo, mesmo que sejam dias. Durante minhas definições desativei o Facebook, por exemplo, por três dias. Isso me permitiu mais tempo olhando para mim e minha vida, sem influências eternas ou comparações. Parece uma medida boba, mas faz uma diferença e tanto.

Achei interessante iniciar pela organização da casa, mais precisamente de meu quarto, o que ajudou a tornar minha rotina mais limpa e definida, permitindo assim mais tempo para mim mesma e para minhas reflexões. Além disso, destralhar nosso lar permite uma limpeza real da alma e da mente, sendo também uma maneira mais rápida, simples e visível de mudança, o que nos motiva a continuar.

Este será o tópico de amanhã: como destralhar sua casa. Até!